Como a impressão poderia salvar sua vida

Examinamos evidências científicas que mostram como substituir o telefone celular, por uma publicação impressa, pode ajudá-lo a viver mais

A maioria de vocês que está lendo isso estará lendo em uma tela, pegando cinco minutos em um trem ou no trabalho para observar de perto seu smartphone. As evidências à seguir, farão você repensar quanto tempo gasta olhando para telas…

Exame de saúde

De acordo com pesquisas recentes, o adulto médio passa quatro horas por dia olhando para o smartphone, mantendo-o ao alcance do braço quase todo o tempo (Revista Momento, 2018). Essa quantidade de tempo gasto com um dispositivo interfere com uma gama alarmante de elementos de vida e habilidades cognitivas, desde o tempo de sono e a qualidade das relações até a memória de curto e longo prazo, atenção, criatividade, produtividade e solução de problemas e decisões.

Mas, embora estes sejam problemáticos por si só, o que deve estar preocupando o usuário médio do telefone é o fato de que o uso do dispositivo aumenta os níveis de cortisol, o principal hormônio do estresse do corpo. O cortisol é o hormônio que controla a reação de luta ou fuga, desencadeando mudanças psicológicas que ajudam o corpo humano a reagir e sobreviver a ameaças perigosas.

“Níveis elevados de cortisol têm sido associados a um aumento do risco de problemas graves de saúde, como depressão, obesidade, diabetes tipo 2, problemas de fertilidade, pressão alta, ataque cardíaco, demência e derrame”

Infelizmente para o fã do telefone, essas mudanças incluem aumentos rápidos na pressão arterial, freqüência cardíaca e açúcar no sangue – nenhum deles é bom para o corpo, especialmente quando eles podem acontecer toda vez que seu telefone o deixa irritado ou frustrado, feliz ou excitado – gatilhos emocionais exatos que tornam o seu telefone tão atraente.

“Seus níveis de cortisol são elevados quando o telefone está à vista ou nas proximidades, ou quando você ouve ou até acha que ouve”, diz David Greenfield, professor de psiquiatria clínica da Universidade de Connecticut School of Medicine. “É uma reação ao estresse e parece desagradável, e a resposta natural do corpo é querer verificar o telefone para fazer com que o estresse desapareça.”
Níveis elevados de cortisol têm sido associados a um aumento do risco de problemas graves de saúde, como depressão, obesidade, diabetes tipo 2, problemas de fertilidade, hipertensão arterial, ataque cardíaco, demência e acidente vascular cerebral.

O flipside

Assim como há muitos perigos físicos e psicológicos do uso excessivo de smartphones, há tantos benefícios para a leitura de impressos. Seja um jornal, uma revista, um catálogo ou um livro, comprovou-se que a impressão melhora a saúde de seus leitores, diminuindo a frequência cardíaca e a pressão sanguínea, ao mesmo tempo em que proporciona uma compreensão mais profunda e satisfatória de um assunto ou história.

Estudos neurológicos mostraram que a atividade cerebral ao ler a impressão é significativamente diferente da leitura de uma tela. Ao ler conteúdo digital, o cérebro percorre a cópia, captando apenas palavras-chave ou texto destacado ou em negrito. Mas a leitura impressa estimula a memória visual, melhorando a compreensão, a retenção e a recuperação de informações.

Diante disso, agora é considerado vital que as crianças leiam livros impressos em vez de telas digitais para melhorar suas habilidades de leitura e conhecimento. A natureza tátil da impressão e a falta de distração em um livro impresso, combinada com a maior quantidade de tempo que os pais passam discutindo a história, em vez do dispositivo, resultam em uma compreensão e desenvolvimento aprimorados muito maiores.

Dormir bem

Talvez o mais importante em um mundo cada vez mais perturbador e direcionado à mensagem, a leitura da impressão ajuda você a ter um sono mais longo e de melhor qualidade. Uma vez que a privação do sono tem sido associada a doenças cardíacas, pressão alta, derrame e diabetes, ter um padrão de sono consistente tornou-se cada vez mais importante.

Em um estudo inovador, a Harvard Medical School pediu a 12 alunos que passassem duas semanas lendo um e-book antes de irem para a cama, e depois duas semanas lendo um livro impresso. O estudo mostrou que a leitura de um e-book resultou em menos sono e aumento do cansaço no dia seguinte.

“Os participantes que leram um e-book demoraram mais para adormecer”, explica Anne-Marie Chang, neurocientista associada da Divisão de Distúrbios do Sono e Circadiana da Brigham Women’s, “e reduziram a sonolência noturna e reduziram o alerta no dia seguinte. ”

Então, hoje à noite, quando você pegar essa tela para mais um e-mail ou post de mídia social antes de ir dormir, pegue um livro em seu lugar. Pode salvar sua vida.

Fonte: Two Sides

Artigo por Sam Upton

Comments are closed.